Detalhadamente

Climatophobia, causas, sintomas e tratamento

Climatophobia, causas, sintomas e tratamento

Sara é uma mulher adulta, trabalhadora e bem-sucedida cuja vida é prejudicada por um grande medo que é muito difícil de controlar. Toda vez que Sara vê algumas escadas, sua respiração começa a acelerar e um leve suor escorre por suas mãos. Só de pensar em escalá-los o aterroriza, embora ele seja capaz de perceber que não há perigo nisso. Em seu local de trabalho, os colegas costumam subir as escadas para o escritório conversando, mas ela é sempre forçada a se separar deles para pegar o elevador. Isso causa vergonha, pois ele acredita que outros podem pensar que ele não quer se esforçar, mas seu medo de subir escadas é maior do que qualquer preocupação. Sara sofre climacofobia.

Conteúdo

  • 1 O que é climacofobia?
  • 2 Causas da climacofobia
  • 3 Sintomas de climacofobia
  • 4 Tratamento da climacofobia

O que é climacofobia?

A climacofobia é uma medo irracional e excessivo de escadas, tanto para a idéia de fazer upload e download. Essa fobia, que não é muito comum, está altamente relacionada a outras fobias, como acrofobia, o que implica medo de altura e batofobia, um medo irracional das profundezas.

O climacofobia, como o resto das fobias, é uma condição que interfere na qualidade de vida dos indivíduos. As fobias mantêm os indivíduos que sofrem em uma situação de constante pânico e bloqueio em que a necessidade de evitar o objeto temido é causada por causar um Enorme agitação psicológica e social. Nesse caso, o objeto temido é algo bastante cotidiano e usual, como subir e descer escadas e evitá-lo é um grande desgaste psicológico e social para as pessoas.

Causas da climacofobia

Como em outras fobias, as causas da climacofobia são nutridas por uma combinação de fatores. O mais comum é ter vivido eventos externos que desencadeou esse medo mais tarde, como experimentar eventos traumáticos como ter caído de algumas escadas ou ter visto alguém fazer isso, além de ter sofrido ataques de pânico ao subir escadas.

A partir disso, há certas distorções cognitivas, além de predisposições internas que podem ter sido formadas através da observação de eventos negativos associados ao objeto temido. Embora muitas fobias concretas sejam desencadeadas de maneira muito específica por causa desses eventos vividos, outras mais complexas, como agorafobia ou o fobias sociais eles não têm causas tão claras que podem ir do condicionamento contextual para as situações vivenciadas, até causas genéticas.

Sintomas de climacofobia

Os sintomas da climaxofobia, como em outros tipos de fobias, baseiam-se no sentimento de ansiedade excessiva com o estímulo temido, neste caso escadas, que dificultam o bom funcionamento diário do indivíduo e que podem, dependendo do nível de ansiedade, tornar-se um pânico excessivo. Alguns dos sintomas fisiológicos associados a esse medo incluem:

  • Suor excessivo
  • Respiração acelerada
  • Náusea
  • Boca seca
  • Taquicardia e palpitações

Outros sintomas podem ocorrer, como falta de capacidade de articular bem palavras ou frases, além de problemas de baixa qualidade e concentração do sono.

Esses sintomas geralmente são normalmente automático e incontrolável e apenas percebendo que eles começam, eles direcionam a pessoa a um comportamento de evitar o objeto temido para se livrar deles.

Eles existem no entanto outros sintomas que pode ser experimentado em paralelo ao fato de subir ou descer escadas, mas que eles não são um produto da climacofobia. Estes são medos desencadeados por causas médicas como doenças cardíacas ou musculares que dificultam a realização da ação pela pessoa afetada. Esse medo é racional e, contra o medo produzido pelas fobias, elas fazem sentido.

Outra causa que pode desencadear o medo de escadas e que não tem relação com o clima é o simples vertigem. Isso implica sensações fisiológicas de tontura e movimento, cujas causas podem ser médicas e que também podem andar de mãos dadas com esse tipo de fobia.

Tratamento de climacofobia

O melhor tratamento para a climaxofobia, assim como no resto das fobias, é o terapia comportamental cognitiva. Nesse sentido, o paciente e o terapeuta se concentrarão na identificação do distorções cognitivas associados ao problema, para substituí-los por outros mais adaptativos. Além disso, a técnica mais eficaz usada para tratar fobias, dentro do espectro comportamental, é a técnica de exposição, no qual se busca especificamente perder o medo do estímulo temido pela exposição a ele, gradualmente e com repetições, de que a ansiedade não desencadeia e nos mantemos calmos. Se você acha que você ou alguém conhecido pode sofrer com esse ou outro tipo de fobia, não hesite em consultar um profissional.